09
Nov 10

 

As janelas do meu sistema fecharam-se dramaticamente de um estrondo. É nisso que apoio agora o facto de estar tão virada para o meu espelho quase ao ponto de o partir. Mas, encaremos a verdade, uma maçã assada não é tão malcheirosa como esta questão, assim como os atacadores desapertados não são tão ingratos assim em comparação.

Decerto todos já ouvimos a já tão batida frase “estou no meio de uma multidão, mas nunca me senti tão sozinho”. Bem eu diria antes: estou tão doente e ninguém quer saber. Este facto é, no entanto, compreensível, não a nível moral ou nada disso, apenas ao nível do meio social. Eu sou a primeira a defender o egocentrismo, sempre estive no centro da placa de “tiro ao alvo” dele sobre mim mesma, e ganhei os jogos todos. Mas o problema que aqui se coloca não é o de egocentrismo, é mesmo da falta de tudo e mais alguma coisa dentro de uma imaturidade ingénua que passa cá para fora como estupidez, ou pelo menos é assim que eu a vejo (e se já era demais num indivíduo, não falemos em dois, porque já é uma multidão).

Constato assim que a minha cor passou a ser azul, officially off the rails, como lhe chamaria determinada personagem televisiva. Não gosto de fazer juízos lesivos though, por isso para não cair nessa tentação de dar um nome (ou mais) aos meus inúmeros problemas – os quais existem de bem maior importância do que os expostos, a única diferença é que estes não dependem de mim – decido terminar este desabafo formal, até porque ninguém está a perceber um caraças disto.

 

P.S: aproveito para inaugurar nova época de posts relativamente frequentes e, espero, com coisas novas, outros âmbitos e conceitos, dado que não tenho prestado atenção nenhuma a isto.

 

publicado por misunderstood-ninja às 17:06

31
Ago 10

Queria aprender com o que já tenho

E o que tenho não é sorte, são sortes que vêm por azar.

 

Tiras a imagem porque foi o que viste num momento marcante

Ou porque quem te marcou foi ela.

 

Fazes um truquezinho qualquer para tentar inverter a situação,

Quando a situação ficou fora da busca por coisas boas quando elas escasseiam.

 

Uma boa sensação tenta substitui,

Mas nem esta caneta escreve em condições, como esperas que te escreva?

 

Quero sair daqui mas não posso ir ter contigo

Estou presa com o que sempre conheci.

publicado por misunderstood-ninja às 21:16

27
Ago 10

Quando se tenta esquecer o que nos feriu no passado, dói para caraças, especialmente quando não encontramos outra solução a distâncias fisicamente grandes.

Nesse caso, e como já me apercebera, não sou eu a sortuda, por não conseguir colocar em prática os meus ideais.

Nesse caso, vou continuar a tentar porque quando parar, transformo-me na exacta pessoa em que me recuso, com todas as forças, tornar.

E não te observando, sabendo no entanto que aqui estás, apercebo-me que tu não imaginas nada disto, e provavelmente, mesmo quando cresceres, não conhecerás nada do que eu conheço. Enfim... empatias. Não sei colocá-las em prática também, mas gostaria. Afinal, de alguma forma foi isso que causou o vazio pós-acontecimento-chave. E é este acontecimento que origina toda a porcaria que digo e faço nestes tempos.

Vou voltar a ser a criança crescida, despreocupada, mas racional; confiante em si, mas não nos outros. Sim, e aprender a interagir com todo o tipo de pessoas e situações, tendo a minha intuição como guia, não olhando para eles dessa forma, mas também não desviando o olhar.

 

 

 


publicado por misunderstood-ninja às 13:27

28
Jul 10

 

Custa ser desta maneira, ninguém, zero... não há ninguém.

Muitos considerariam o desabafo como peneira, mas não é.

Quem me dera a mim não ser assim.

Não compreendo a minha adaptabilidade: é reduzida, mas quando acciona é passiva

E o meu ser toma uma postura de austeridade,

Sem me deixar ouvir o que quer dizer a saliva,

Sem me deixar descalçar no meio da cidade.

E assim, aos poucos, vou-me fechando ao mundo

Sem voltar ao meu, ficando algures no meio

Numa dimensão infernal, lá no fundo,

Onde não há claro nem escuro, nem bonito nem feio

Apenas o neutro, esse conforto mediano.

 

E qual é o meu medo?

Está espalhado pelas vossas faces,

Pela vossa mão e por cada dedo:

A reprovação, a repulsa, o desinteresse

Quando há um vislumbre que seja de "eu", fora da máscara,

Não fosse porcaria, antes eu vos a oferecesse.

 

A criança descobre a ingratidão em perplexidade,

Nada mais natural, se não fosse demais,

Mas quem aprende avança na idade, e surge

O verdadeiro dilema em que sempre cais:

Crescer, aprender; ou ser a eterna criança despreocupada?

 

Quem poderá dizer o que está certo e errado?

Seja qual for a "escolha" o preço a pagar é alto:

Na primeira, a infelicidade permanece, até se tornar insuportável

Na segunda, a ingenuidade tem o sofrimento na lista de consequências

Mas cuidado com essa tua mente!

Ficar onde estou, o doloroso meio, é bem mais perigoso

Enterrada no fundo desse local

Quem censura eu querer voltar...

publicado por misunderstood-ninja às 11:30

08
Jul 10
Eu diria que está errado, mas se disser, quem vai fazer tudo voltar?
publicado por misunderstood-ninja às 15:42

pesquisar
 
mais sobre mim
Analysis
Visitors
free counters
Cc
[img]http://transcriptions.english.ucsb.edu/archive/topics/infoart/chanel/coco-chanel2.gif[/img]
Analysis
Visitors
free counters
pesquisar
 
mais sobre mim
Analysis