27
Ago 10

Quando se tenta esquecer o que nos feriu no passado, dói para caraças, especialmente quando não encontramos outra solução a distâncias fisicamente grandes.

Nesse caso, e como já me apercebera, não sou eu a sortuda, por não conseguir colocar em prática os meus ideais.

Nesse caso, vou continuar a tentar porque quando parar, transformo-me na exacta pessoa em que me recuso, com todas as forças, tornar.

E não te observando, sabendo no entanto que aqui estás, apercebo-me que tu não imaginas nada disto, e provavelmente, mesmo quando cresceres, não conhecerás nada do que eu conheço. Enfim... empatias. Não sei colocá-las em prática também, mas gostaria. Afinal, de alguma forma foi isso que causou o vazio pós-acontecimento-chave. E é este acontecimento que origina toda a porcaria que digo e faço nestes tempos.

Vou voltar a ser a criança crescida, despreocupada, mas racional; confiante em si, mas não nos outros. Sim, e aprender a interagir com todo o tipo de pessoas e situações, tendo a minha intuição como guia, não olhando para eles dessa forma, mas também não desviando o olhar.

 

 

 


publicado por misunderstood-ninja às 13:27

When you need you’ll find out you have a strength you never knew you had…It’s a family thing.
Anónimo a 28 de Agosto de 2010 às 10:00

Não digas nem faças porcaria!
Sofia a 28 de Agosto de 2010 às 07:05

pesquisar
 
mais sobre mim
Analysis
Visitors
free counters
Cc
[img]http://transcriptions.english.ucsb.edu/archive/topics/infoart/chanel/coco-chanel2.gif[/img]
Analysis
Visitors
free counters
pesquisar
 
mais sobre mim
Analysis